9 anos de Betel – 2015

9 anos depois

No dia 23 de setembro de 2006, tomei posse como pastor titular da Igreja Batista Betel. Na época, éramos em três lá em casa: Nívia, Júnior e eu. A Betel vinha de momentos difíceis, buscando a restauração necessária para seguir em frente. Recebi a liderança da igreja das mãos de meu colega e amigo pessoal, Pr. Antonio Mendes Gonçales, que, por nove meses, atuara como pastor interino. Seis meses depois de minha posse, Nívia engravidou e, em dezembro do ano seguinte, nasceu Maria Laura, resposta de oração do Júnior, que sempre pedira a Deus por uma irmã.

Muita coisa aconteceu de 2006 para cá. Não apenas na Betel, mas no mundo, na denominação Batista e em minha vida pessoal. Aos poucos, fui conhecendo a Betel e ela me conhecendo. Fomos aprendendo a nos amar, mesmo sabendo que não éramos perfeitos e que nunca alcançaríamos a perfeição. Muitos irmãos chegaram e alguns irmãos foram embora. Convivemos com a alegria da apresentação de bebês, mas também com a tristeza dos cultos fúnebres.  Na dinâmica da vida de uma igreja, vivemos as mais intensas situações, rimos muito, mas também choramos algumas vezes. Alguns planos deram certo e outros nunca saíram do papel. E, nessa somatória de momentos, vimos os anos passando, porém, ao olhar para trás, tenho a impressão de que cheguei aqui há tão pouco tempo. Mas, já se passaram 9 anos.

Em minha avaliação pessoal de ministério, percebo que muitas coisas mudaram em mim e na Betel. Nem todas as mudanças agradam a todos, falo isso por mim mesmo. Há coisas que eu, particularmente, não gosto, mas aprendi na vida que gostar não é o critério para mudar. A necessidade, e não o gosto pessoal, é que define o que realmente deve ser feito. E, nesses nove anos, minha busca ministerial tem sido fazer o que devemos fazer e não apenas o que gostamos ou até queremos. Algumas mudanças necessárias já começaram, em minha avaliação, com timidez, na avaliação de outros, com grande impacto. Muitas outras mudanças devem vir e minha disposição pessoal é promovê-las, para que os desafios que estão a nossa frente sejam encarados e vencidos.

No domingo, dia 27 de setembro de 2015, por ocasião da eleição da diretoria da igreja, coloquei meu pastorado à disposição, para que a igreja aprovasse ou não minha permanência na liderança pastoral da Betel. Por unanimidade, os membros presentes pediram para eu continuar.  Tenho certeza de que alguns dos que se levantaram em sinal de aprovação não concordam com todas as minhas ideias. Depois de nove anos convivendo, já sabem do meu jeito de ser, das áreas ministeriais em que sou mais forte e das que sou mais fraco. Porém, ao se levantar e declarar sua aprovação, a Betel disse: vamos seguir em frente. Foi assim que entendi e dessa forma o Espírito Santo tem interpretado ao meu coração esse momento. Há nove anos, eu não tive unanimidade de votos para começar o ministério na Betel. Mas, agora, tenho unanimidade para continuar. Essa unanimidade não é sinônimo de que pensamos igual mas sim que somos um corpo, uma família, somos uma igreja unida em Cristo e que partilha da mesma fé e compromisso.

Agradeço a meus queridos irmãos pelo voto de confiança e pelas manifestações de amor que vieram após o domingo. Algumas mensagens foram verdadeiros abraços em forma de texto e alguns abraços silenciosos se transformaram em palavras. Sei que teremos grandes lutas a enfrentar, até porque toda nossa sociedade está diante de uma crise generalizada, que já se reflete em nossas entradas financeiras em um momento em que nossas despesas aumentaram nesse período de finalização de nosso prédio. Somado a isso, a ênfase em compromisso tem gerado lutas espirituais intensas, mas, continuamos firmes, sabendo que nosso Deus está a frente e que Ele é nosso provedor.

No último domingo de manhã, falei que não somos mais os mesmos: eu não sou, você não é, a Betel não é. Isso é maravilhoso. Estamos ‘nos tornando’, como bem disse o apóstolo Paulo em 2 Coríntios 3.18: “E todos nós, que com a face descoberta contemplamos a glória do Senhor, segundo a sua imagem estamos sendo transformados com glória cada vez maior, a qual vem do Senhor, que é o Espírito”. Pela fé, imagino uma igreja ainda mais diferente, mais vibrante e atuante, mais relevante e frutífera, mais santa e comprometida, mais obediente à vontade de Deus e submissa, sem reservas ao seu dono: Jesus Cristo. E, enquanto Ele quiser, estaremos juntos aqui, realizando a obra que Ele começou e que só terminará quando as trombetas soarem e Ele descer entre as nuvens.

Um abraço respeitoso e carinhoso em cada um de vocês que fazem parte da Betel, como membros ou frequentadores. Amo vocês em Cristo Jesus e desejo as bênçãos mais especiais do Senhor sobre cada um.

 

Com carinho pastoral,

Guilherme de Amorim Ávilla Gimenez
Pastor Titular da Igreja Batista Betel
Setembro de 2015