Há milhares de doenças relacionadas ao estresse. O ambiente em que vivemos costuma ser carregado de coisas que ativam uma cascata de hormônios do estresse em nós e gera respostas fisiológicas imediatas, inclusive o aparecimento de doenças psicossomáticas ou o enfraquecimento do corpo e a possibilidade de contrairmos uma série de outras enfermidades. É impossível fugir totalmente do estresse; afinal, sempre haverá um e-mail trazendo um grande problema, um amigo falando mal de nós ou a lembrança de que daqui a pouco tempo teremos que fazer uma apresentação difícil para várias pessoas críticas. Se o estresse é garantido, então precisamos aprender a dominá-lo, e uma das formas mais reais de fazer isso é reinterpretando o estresse. É transformá-lo em algo não tão ruim assim. É conseguir dormir bem, apesar dele, e não se consumir de tristeza, por causa dele. Dominar o estresse implica em quase domesticá-lo, transformando-o em preocupação comum na vida ou dificuldade natural para todos. Fazendo isso a situação estressante e terrível vai aos poucos perdendo força e dando lugar a um estresse totalmente administrável, ainda que incômodo.

Robert Sapolsky é um dos pioneiros estudiosos sobre os efeitos do estresse. Ele diz que deveríamos ser mais parecidos com as zebras quando enfrentássemos estresse. Por quê? Porque elas conseguem voltar ao estado normal da vida assim que a situação estressante passa. Ou seja: se ela for perseguida por um leão durante vários minutos e conseguir fugir, ou se ele desistir de persegui-la, em questão de poucos minutos ela já está calma, sem qualquer traço de estresse. Como bem comentou Robert Sapolsky, zebras não produzem úlceras. Seu estresse não as adoece. Elas conseguem dominá-lo, deixando que ajam apenas enquanto estão vivendo a situação estressante. Passada a situação elas voltam ao normal como se nada grave tivesse acontecido.

Dominar o estresse é uma necessidade. Sem isso adoeceremos mais e mais e correremos o risco de perder grandes oportunidades na vida por estarmos debaixo do efeito do estresse, potencializando problemas e interrompendo nossos sonhos. Sejamos mais zebras nesse sentido: rápidos para nos recuperar e prontos a voltar à boa rotina de dias menos estressantes.